segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Os 2 tempos contra-atacam!



A KTM anunciou venda recorde em 2008 de 25.000 motos 2 tempos (2T) e diz que não enxerga o fim dos 2T de alto desempenho.
A empresa australiana Orbital está testando um motor de 2 cilindros paralelos, de 1 litro, 200 hp,totalmente compatível com a legislação de emissão de poluentes que é mais leve e mais eficiente em termos de consumo de combustível, do que qualquer rival de 4T.

A Aprilia, que está atrás de um motor acessível de média cilindrada e bom desempenho, diz que poderia facilmente vir com uma versão da RS250 compatível com a Euro-3 e já, por duas vezes, esteve perto de apresentar tal moto.

Os departamentos de P&D na Europa, Ásia e América do Norte estão chegando à mesma conclusão: tudo o que se sabe sobe 2T está errado, e a vingança deles frente aos 4T é iminente.

“A complexidade de um 4T de alto desempenho é assustadora” diz Steven Ahern da empresa australiana Orbital de P&D em engenharia,dona das patentes chaves de injeção direta.
“Para se obter potência de um 4T é preciso ir pra altos rpm, necessita-se de materiais especiais e você tem que sacrificar o torque nas médias e baixas rotações.



O consumidor é quem paga a conta, que está se tornando proibitiva, e está recebendo motores com as mesmas características ruins pelas quais os 2T foram crucificados no passado.”

A Orbital acredita que o 2T é o único motor que dará aos fabricantes a margem de potência que os clientes demandarão e os especialistas concordam que nenhum dos vícios do 2T é aplicável.
É só uma questão de tempo até a verdade aparecer no meio dessa onda de 4T, diz Denver Lawson, consultor de P&D da gigante chinesa Jialing Motorcycle Company, que está projetando uma nova gama de motores 2T injetados: “O mundo quer eficiência.

E queira você eficiência ou desempenho, o fato de um 4T desperdiçar dois dos seus tempos é uma
grande questão. Não se trata de convencer os motociclistas sobre as vantagens dos 2T tempos novamente, o mundo vai exigir de volta esses dois tempos desperdiçados.”


Funcionamento de um motor 2 tempos

A legislação antipoluição desferiu um golpe mortal nos 2T de alto desempenho nos anos 70 e 80, porém, algo mais do que aspectos técnicos tem mantido a tampa no caixão, de acordo com Dave Blundell da Lotus Engineering: “Qualquer 2T pode ser limpo o bastante a ponto de passar pelos padrões atuais de emissão de poluentes graças à injeção assistida a ar da Orbital. Apesar disto, os fabricantes têm investido inimagináveis bilhões nos 4T e estão muito felizes com o fato de o preconceito das pessoas contra os 2T ‘sujos e de potência só lá no alto’ ainda existir.”

A tecnologia de injeção direta assistida a ar (AID) da Orbital separa ao óleo do combustível, mantendo-o longe do processo de combustão e envolvendo o vapor de combustível em uma pluma de ar a qual permite uma combustão limpa no curto espaço de tempo que o 2T dispõe.

A injeção acontece após a janela de exaustão ser fechada, assim, nada é perdido e como a injeção de ar é muito eficiente em atomizar o combustível, a pressão do injetor pode ser mais baixa o que significa que os injetores podem ser de baixo custo, bem mais baratos do que os usados nos motores diesel dos carros, que trabalham em pressões até 10 vezes maiores.

Rs250-moto 2tempos

A ADI controlada por computador da Orbital baixa o consumo de óleo em 80% e faz a curva de torque do 2T até ultrapassar a dos 4T. E também dramaticamente domina em consumo de combustível, como lembra Mike Ambler, projetista líder do departamento de motores da Aprilia, quando a empresa testou secretamente a ADI na sua RS250:

“A RS equipada com ADI foi tão eficiente que os gases do escapamento estavam dentro dos limites de emissão na marcha-lenta normal da RS250”.

O 2T do futuro no dinamômetro


Os 2T do futuro terão capacidades comparáveis às dos 4T, permitindo um ajuste mais suave do que aquele que lhes deu a reputação de “só em alta”.
O resultado desbanca o 4T em potência, torque, flexibilidade e até em intervalos de manutenção, diz a Orbital, cujo motor experimental(ainda subdesenvolvido) monocilíndrico 2T 450cc gerou as curvas acima, comparadas às de um rival 450cc de 4T.

O motor ainda se revelou menor e mais leve, de produção mais barata, menos beberrão e com emissões de gases idênticas.
O torque do motor 2tempos é visivelmente superior

A Orbital ganha royalties em cada motor produzido com a ADI e passou os anos 90 e início dos 2000 focando em produção em massa de máquinas utilitárias de pequena capacidade e cortejando empresas automotivas. Mas, desde então, iniciou parcerias com fabricantes de motos de alto desempenho e diz que isto gerará frutos agora. Grandes frutos: “Estamos testando um motor 1000cc com desempenho de até 200 hp e 118lb-ft (16.3 kgf.m) por litro, com desempenho em toda a banda de giros e completamente compatível em termos de emissão de gases”, diz Ahern.

Quem são estes parceiras a Orbital não diz, embora haja rumores bem fortes sobre uma EXC300, da KTM, equipada com ADI. O que eles dizem é que: “Todos, exceto a Honda, pensam de forma relevante sobre os 2T”, segundo Ahern.

Não é de se surpreender, diz Harald Bartol, importante engenheiro 2T e diretor técnico das atividades de competição da KTM: “Quando olho pros 2T só vejo vantagens – a potência, o peso, o custo e a complexidade. E a dinâmica ciclística das 250 2T é muito próxima das motos 800cc da MotoGP. Se eu estivesse projetando uma moto esportiva pras ruas, escolheria uma 500cc V4 2T. Não tenho dúvida alguma de que ela seria superior às esportivas atuais e ainda possível de passar pela legislação de emissões existente.”

Pode até acontecer, já que o Bartol está cada vez mais desiludido com o massacre dos 4T de corrida: “Os motivos técnicos para as mudanças não têm sentido. É tudo desculpa para um plano de negócios que vem da Honda.”


Honda:Distorção sobre as motos 2 tempos

É uma desilusão que tem ecoado fora das corridas. Dave Blundell da Lotus: “Há muitos engenheiros na Honda que apóiam os 2T, e eles fizeram um progresso enorme na área, mas dentro da firma é considerado deslealdade apoiar os 2T. A influência é tão grande que distorceu
a verdade sobre a engenharia.” A verdade que até a Honda sabe, segundo Mike Ambler da Aprilia: “É que os 2T podem ser no mínimo tão limpos quanto e mais eficientes em consumo do que os 4T – os próprios testes deles com 2T equipados com ADI contra os melhores 4T deles provaram isto.”

Ahern da Orbital: “10 anos atrás, do ponto de vista de emissão de gases, 2T e 4T eram como água e vinho. O departamento de marketing da Honda assimilou a idéia e ficou assim.”

Com óleo e combustível separados, injeção mapeada por computador e a mistura assistida pela injeção de ar, a nova linhagem dos 2T não apresentará as ancestrais fumaça, alterações de regime e força só lá no alto. Nem se parecerão com os antigos em termos de comportamento.
A Orbital agora acredita em motores 2T de comportamento comparável aos 4T, girando em rotações menos frenéticas, oferecendo a melhor combinação da força explosiva do 2T com a curva plana e forte de torque do 4T.


Protótipo SRT 500

A combinação dá água na boca da Aprilia. Mike Ambler: “Em 2005-06 pensamos seriamente em uma 600cc 2T num chassis de RS250.
O protótipo teria em torno de 110-125hp a 8-9000rpm, e pesaria 145kg. Seria um foguete, mas no fim decidiu-se que teríamos mais chance de comercializar a Mana do que uma RS600DI.” Perguntado se uma média cilindrada 2T preencheria o vazio na gama de esportivas
da Aprilia, o gerente de produto, Francesco Polimeni, responde: “Concordo plenamente. E as coisas parecem estar mudando nos últimos 12 meses, com clientes se preparando pra este tipo de moto. Estamos de olhos abertos pra agarrar qualquer oportunidade que apareça


Fonte: http://twostrokemotocross.com/2009/06/two-strokes-strike-back/

Créditos da matéria: Marcelo Freitas

[[Ciclo2Tempos]]

6 comentários:

mota hc disse...

Cara... é mais que tarde pra galera começar a admitir que os 2T, são uma tecnologia melhor, porem mal elaborada....
não vejo a hora de ouvir o rocno de um motorzinho 2T, zero Km, de novo rodando pelas ruas, e o melhor de tudo!, mais potente e economico que os lesados 4T.....y6c

Felipe Luiz disse...

Excelente matéria!

Alexx disse...

É a evolução !!! A volta de uma lenda que nunca morreu !!!Quem teve ou ao menos andou em um motor 2T sabe do que estou falando. Parabéns pela matéria. Alexx

Murilo disse...

Ja pensou lançarem novas DT's ??, sonho de muita gente ein ! rsrs

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze disse...

Fala-se tanto em downsizing atualmente mas parece que a real intenção é em lucrar mais em cima do consumidor tentando empurrar sistemas mais caros e de manutenção mais complexa. Não só as motos, mas até os automóveis poderiam estar se beneficiando dos avanços na tecnologia dos motores 2T. A propósito: com a modinha do etanol já se poderia aproveitar que os motores 2T já contam com o bom e velho óleo de mamona como opção de lubrificante 100% renovável enquanto entre os 4T ainda há apenas algumas experiências independentes com óleo de dendê na Malásia e nas Filipinas.

Zero_zerO disse...

os velhos motores sao a base para desenvolver motores economicos, nao poluentes, com rendimento superior e quem sabe custo menor... através dos erros do passado (evoluir o 4 tempos) iremos aprimorar nosso futuro, trazendo um motor 2T limpo e barato.
parabéns pela reportagem.
quem sabe nao sai um motor novinho e super evoluido pra eu colocar na minha dtzinha. ja tou ate vendo o novo adesivo "DT EVOLUTION" em branco e vermelho colado nela....