quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

PROMOT 3-Lei que limita a emissão de poluentes nas motos

Yamaha Xt660X Injeção eletrônica

A partir de 2009 entrará em vigor no Brasil a nova lei que limita a emissão de gases poluentes nas motocicletas, a PROMOT 3. A Injeção eletrônica é o caminho mais coerente para atingir o objetivo proposto pela PROMOT 3, porém, muitas montadoras não irão adotar o sistema, pois o desempenho dos motores irá diminuir,e quem sabe será preciso incluir catalizadores de ar e outros métodos mais baratos e simples de implementar na engenharia atual dos motores.

As vantagens reais do uso da injeção nas motocicletas:
Injeção Eletrônica

O carburador é o componente responsável por misturar o Ar e o combustível e enviar esta mistura ao motor.A injeção tem a mesma função. O carburador recebe o vácuo do motor, e este vácuo puxa o ar da caixa de filtro de ar para dentro dele, ao mesmo tempo em que puxa o combustível do reservatório inferior. O combustível passa pelo giglê, este tem um tamanho fixo e que permite apenas a passagem de uma pequena quantidade de combustível. Então, dependendo do vácuo gerado e do tamanho do giglê, mais ou menos combustível é enviado para a mistura. A injeção eletrônica não tem giglê, tem um ou mais bico(s) injetor(es) de combustível, e uma central eletrônica que controla quanto combustível será liberado pelo(s) bico(s) injetor(es) para que seja misturado ao ar.

Carburador

Em um carburador, o tamanho do giglê é sempre fixo, portanto, a quantidade de combustível usado na mistura também é fixa, e é proporcional apenas ao vácuo gerado. Muito vácuo, muito combustível, pouco vácuo, pouco combustível. Quem determina quanto vácuo será usado é o piloto ao acelerar a moto. Se ele acelera pouco, a borboleta se abre pouco e permite apenas uma pequena passagem do vácuo ao carburador. Quando o piloto acelera tudo, abre completamente a borboleta e permite que o motor puxe todo o gás que puder para dentro de si.

Na injeção eletrônica, o controlador eletrônico determina qual a melhor proporção de combustível para cada situação, independente de qualquer vácuo, e por isso normalmente é mais econômico e menos poluente que o carburador, pois não há desperdício de combustível.

As motos de Cross já estão saindo com injeção eletrônica

Existem muitos tipos de sistemas de Injeção eletrônica, mas em todos eles, existe pelo menos um controlador eletrônico, um bico injetor e uma bomba de combustível. O controlador possui em sua memória um mapeamento que determina a quantidade de combustível que deve ser usada para cada faixa de RPM do motor. Este é o sistema mais simples, pois o mapeamento é fixo e não muda nunca. É como um carburador, porém, com a vantagem de ter um mapeamento mais eficiente do que o obtido por meio de um giglê.

O uso de Injeção eletrônica seria a saída mais inteligente para atingir as metas da PROMOT 3, porém, as montadoras alegam que o custo de produção de um módulo para motos pequenas pode encarecer muito o preço delas, e por isso, preferem reduzir seu desempenho e encher as motos com sistemas de desempenho duvidoso, como o tal “carburador eletrônico”(disponível na nova Ybr125) que nada mais é do que um sensor de aceleração, ou um duto de ar frio direto no escapamento, que não serve para nada a não ser esfriar o ar do escapamento .

E enquanto as motos 2 tempos que emitem naturalmente mais fumaça que 4 tempos?
Como elas se enquadrariam na nova lei?Isso ninguém sabe, e existem ainda muitos rumores de que elas seriam extintas de das ruas de uma vez por todas.Será?

Fumaça 2Tempos

Nas motos grandes, esta é uma tendência natural.A maioria possue o sistema eletrônico como a Honda Cbr ,a Yamaha r1 , a Suzuki Gsxr entre outras..


[[Ciclo2Tempos]]

2 comentários:

paulo cristovao disse...

essa lei ja ta valendo?

paulo cristovao disse...

essa lei ja ta valendo